21 de agosto de 2006

a girafa e a bailarina











A bailarina que existe em mim não se conforma com a girafa que eu sou. Tantas vezes quantas tente bailar, graciosa, pelos palcos, serão as vezes em que vai cambalear, grotesca, perdida, até encontrar o chão.

Esse desequilíbrio não tem fim.

Vento, nuvem, asa de borboleta, suspiro, algodão-doce, bolha de sabão, passarinho, folha de papel em branco, musiquinhas de ninar, pétalas de margarida, piscadelas de flerte, joaninhas e a pequena bailarina rodopiam sob a cúpula de cristal. O animal acuado inveja. Camelopardalis também está aqui, bailarina. Presa pra sempre numa jaula invisível.

O gigante caminhante vai, na lentidão de um filme triste, em direção a seu destino. As batidas do coração cortejam os tambores dos ancestrais longínquos, que cantam com alegria. Canções que exaltam os coloridos mágicos das terras distantes e para sempre amadas de África, que um dia abandonamos sem saber.

A bailarina chora de saudades da girafa.

Um comentário:

Vivi disse...

Que maravilha poder ser ao mesmo tempo girafa e bailarina...