28 de agosto de 2006

estribilho

No meio do escuro nada
Entre os meus cabelos de cipó
Preso, um passarinho.

De onde saiu não me lembro
Por qual janela entrou
O inócuo

Nem se debatia
A não ser em si mesmo
E me fazia rir

Cantou, incauto, um fato ou dois
Tossiu, pediu grãos
Deu voltinhas pelo ar

E ainda que eu não o encontre
Nos horizontes que irradiam desde já
Sei que me entreabriu uma pestana
A que estava a mais cochilar

E agora que aquele voa
Antevejo mil duzentos e cinqüenta e sete
Passarinhos estribilhando

E eu ali
A finalmente
Ouvir a música

2 comentários:

FilmStar disse...

continua procurando o mau-humor??
":)
vamos agitar!!
e pensar no livro...
o, quem sabe, num desses blogs q várias pessoas atualizam ao mesmo tempo!
bjosssssss

fabiana disse...

que lindo marcya!