9 de agosto de 2007

atropelos

Eu nunca tinha sido atropelada na minha vida. E aconteceu hoje, pela primeira vez, justo hoje. É uma sensação muito estranha, entre todas as outras sensações muito estranhas que tive nesse dia de "contagem regressiva", como disse uma amiga: 09-08-07.

Tinha ido tirar um novo passaporte, no posto da Polícia Federal. O sistema saiu do ar, me atrasei. Fui atravessar a pista em frente ao aeroporto, o telefone tocou. Atendi, me distraí. Um sujeito engatou a ré no carro, nem viu, me acertou. Um outro até gritou "cuidado!", o que fez com que aquele parasse.

Não cheguei a cair – depois que comecei a fazer Pilates e Tae Fight ficou mais difícil me derrubar. Talvez tivesse sido melhor se eu me deixasse ir ao chão. Mas na hora não senti nada, nada. Só me recompus, reclamei com o motorista negligente e fui embora assim, apressada demais, porque tinha outro compromisso: filmar um nascimento. E nascimentos não esperam não.

Chegando ao meu carro estacionado, sentei-me e finalmente senti a pena da resistência física: a perna latejava. E chorei - chorei um bocado - não só pela dor da pancada, mas por todos os atropelos e desatropelos da minha vida, resumidos ali, em um só.

Um comentário:

Maíra Brito disse...

caramba! q dia foi esse?? afffffff!
mas vc tá bem?? tá em casa ou no trabalho?? tá bem mesmo?? graças ao tae figth e à bola suíça??? rsrsrsrs... quem diria!!!
nasceu a girafinha?? ela tá bem??? tomara q sim!!! então o curta vai mesmo rolar!! iupiiiiii!! uma coisa boa pra te alegrar!!
bjosssss